quarta-feira, 30 de junho de 2010

NO INFERNO DO AMOR poema do livro PALAVRAS AMANTES. 1993

A poeira luminosa dos teus olhos espalha sobre mim um prodígio de palavras. Somos tu e eu no inferno do amor. Na pele macia, nesse corpo onde o prazer aprende a ser crescente, o que me atrai é o desejo de o penetrar em toda a intimidade. Peço-te carícias, procuro a dissipação da dor ao tocar essa pétala de carne. Escrevo o livro onde sabemos existir uma espécie de morte.

3 comentários:

Daniela Basqueira disse...

Adoro esse poema!
Usei ele em um artigo que fiz sobre você e a poesia homoerótica feminina.
Abraços

Blue disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blue disse...

deixei o comentário acima sem e-mail.
bascky@hotmail.com